Entenda como funciona a carteira de estudante digital, lançada pelo MEC

26/11/19 às 20h20
Atualizado em 26/11/19 às 20h48

Foto: (MEC/Reprodução)

 O Ministério da Educação lançou na segunda-feira (25) o aplicativo de celular que emite a carteirinha de estudante digital. A partir de agora, alunos do ensino básico, tecnológico e superior, cadastrados por suas instituições de ensino junto ao MEC poderão ter gratuitamente a ID estudantil, que garante o direito da meia entrada em shows, cinemas, teatros e outros eventos culturais.

Para garantir o acesso à carteirinha estudantil digital, um representante de instituição de ensino, pública ou particular, precisa enviar as informações dos alunos para o Inep (Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira). Elas devem preencher, além do CPF, a data de nascimento, o curso, a matrícula e o ano e o semestre de ingresso do estudante.

O aluno, por sua vez, deve checar no idestudantil.mec.gov.br se a instituição já colocou esses dados no sistema. Caso o cadastro ainda não tenha sido feito, ele deve cobrar diretamente a instituição em que estuda.

Assim, a emissão gratuita poderá ser feita por meio de um aplicativo de celular disponível para os sistemas operacionais Android e iOS. Após baixar o app, os estudantes deverão tirar uma foto de rosto e da carteira de habilitação ou de um documento de identidade com foto, para comparação das imagens. Segundo o MEC, isso evitará fraudes. No caso dos menores de idade, um responsável legal poderá baixar o aplicativo para permitir o acesso.

Por enquanto, segundo o ministério, a versão iOS ainda não está liberada na loja de aplicativos do sistema operacional dos celulares e tablets da Apple. Já quem tem Android possui o app disponível para uso, porém, ainda sem aparecer na lista de busca.

Em eventos culturais, a identificação do estudante será feita por meio da leitura de um QR Code na tela do aplicativo.

Até o momento, a emissão da carteirinha (física) era feita principalmente pelas entidades estudantis, como a União Nacional dos Estudantes (UNE) e a União Brasileira dos Estudantes Secundaristas (Ubes). Cobrando R$ 35 pela carteira, fora o frete, esse serviço era uma das principais fontes de renda delas.

Apesar não excluir – de fato – o direito da emissão do documento das entidades e instituições de ensino, já que estudantes que preferirem manter a carteirinha tradicional poderão solicitá-las pagando o valor referente, a novidade prejudicará as entidades.

 

Fonte: guiadoestudante.abril.com.br