Estiagem deixa Vale em alerta

01/06/20 às 10h10
Atualizado em 01/06/20 às 10h34

 A falta de chuva já atinge de forma severa 93 cidades de Santa Catarina que, decretaram situação de emergência. A estiagem tem afetado o estado e provocado reflexos no abastecimento de água e também na agricultura.

O chefe da Defesa Civil de SC, João Batista Cordeiro Júnior, afirma que estiagem é a mais grave dos últimos 14 anos.

A Defesa Civil também deflagrou no último dia 12 de maio a Operação Estiagem, com ações para enfrentar a falta de chuva. A iniciativa reúne órgãos como Casan, Polícia Militar, Corpo de Bombeiros Militar e secretarias ligadas à agricultura e ao meio ambiente. A ação é liderada pelo Grupo de Ações Coordenadas (Grac) e pelo Comitê de Recursos Hídricos.

Sinal amarelo no Vale
Segundo a Defesa Civil de SC, em todas as regiões do Estado há municípios afetados pela falta de chuva. No Vale do Itajaí, municípios também são afetados. Cidades como Indaial suspenderam o serviço de irrigação de ruas por conta da falta de chuvas. Em Gaspar, o abastecimento do bairro Bateias é suspenso durante a noite para permitir o fornecimento normalmente ao longo do dia.

Já no Vale do Rio Tijucas a situação do abastecimento de água ainda está sob controle, mas, já preocupa os municípios ao ponto de medidas de precaução já estarem sendo tomadas. Em Nova Trento, por recomendação da Coordenação Municipal de Defesa Civil, em conjunto com o Serviço Municipal de Água e Esgoto (Samae), o prefeito Gian Voltolini assinou no mês de abril um decreto declarando “estado de emergência” devido às dificuldades no abastecimento de água. Caso não haja mudanças climáticas, com a ocorrência de chuvas nas próximas semanas, é possível que haja racionamento.


Investimentos dos últimos anos garantem boa margem de segurança no abastecimento de água de Sao João Batista (Foto – PMDSJB)
A falta de água, problema que atinge diversos municípios da região pelo pouco volume de chuva nos últimos meses, não tem afetado – pelo menos por enquanto – São João Batista. Isto por conta dos investimentos realizados no setor pela administração municipal em parceria com o Sisam, autarquia responsável pelo abastecimento de água na cidade.

O principal deles foi a construção de um novo reservatório de água com capacidade para cerca de 2 milhões de litros. Com a inauguração da estrutura, em abril de 2017, o município praticamente dobrou a capacidade de armazenamento, que atualmente é de até 3,7 milhões de litros. Um moderno sistema, instalado na Estação de Tratamento de Água, permite o controle em tempo real dos reservatórios.

 

Leito do Rio Tijucas expõe a crise hídrica da região (Foto – Jabson Alexandre)
Em canelinha o SEMAIS – Serviço Municipal de Água, infraestrutura e Saneamento Básico – diz que existem duas captações de água no município, o que traz um pouco mais de segurança no abastecimento, mas, lembra que a população precisa conter o desperdício do produto para evitar racionamentos.

 

 

 

 


Pilares da ponte Dep. Joaquim Ramos, antes cobertos por água, agora expõe toda a sua estrutura (Foto – Jabson Alexandre)
Queimadas
A falta regular de chuva não traz preocupação apenas para o abastecimento de água das cidades. Outra situação crítica que o Vale do Rio Tijucas vem enfrentando são os incêndios em mata. Nas últimas semanas vários focos de incêndios foram registrados na região, dando muito trabalho ao corpo de Bombeiros.

 


Vários incêndios em área de mata foram registrados no Vale no ultimo mês (Foto – Divulgação)
Segundo o último boletim hidrometeorológico, divulgado pelo governo do Estado em 15 de abril, o Estado tinha 46 municípios em estado de normalidade, 136 em condição de atenção, 56 em estágio de alerta e 30 em estado crítico por causa da estiagem.

O mesmo documento mostra que ainda na primeira metade do mês, a maior parte do Estado ficou mais de 10 dias sob tempo seco, o que mostraria um aspecto irregular da pouca chuva que caiu no Estado.

Segundo a tendência indicada pela Epagri/Ciram, somente a partir de 5 de junho é que o Estado deve registrar alguma chuva em volumes maiores devido à chegada de um sistema de baixa pressão ao Estado.

 

 

 

Fonte: Clubei