Operação Ampulla, faz busca e apreensão em Tijucas

16/07/19 às 14h14
Atualizado em 16/07/19 às 18h22

Fotos: PF/Divulgação

 Na manhã desta terça-feira (16) a Polícia Federal deflagrou a "Operação Ampulla" contra o tráfico internacional do opioide Fentanil. De acordo com as investigações, que contaram com o apoio da agência norte americana de combate a drogas (DEA), o anestésico era traficado do Brasil para os Estados Unidos para ser usado misturado a outras drogas. Seis pessoas já foram presas em São Paulo e em Santa Catarina. Uma já estava presa nos Estados Unidos e responde agora a um mandado de prisão preventiva.
Ao todo, são oito mandados de prisão e nove de busca e apreensão nas cidades catarinenses de Florianópolis, São José e Tijucas, além de São Paulo e Itanhaém, no interior paulista. Conforme as investigações, o anestésico era desviado da Santa Casa de Misericórdia, em São Paulo, ou importado da China. Em Florianópolis, foi identificado um homem que encaminhava a substância para Miami, nos Estados Unidos.
Segundo a Polícia Federal, o opioide é consumido irregularmente misturado a cocaína e heroína. A substância é de 50 a 100 vezes mais forte que a morfina podendo levar a morte.

 


A investigação começou com três encomendas apreendidas nos Estados Unidos entre setembro e outubro de 2018. DEA e PF trocaram informações e foi identificado um homem de Santa Catarina responsável pelo envio do medicamento.
Segundo a PF, o morador de Florianópolis já está preso nos Estados Unidos, por suspeita de tráfico de Fentanil. Foram rastreadas negociações dele e no início deste ano e apreendidas 2.622 ampolas em Balneário Camboriú.
Na Santa Casa de Misericórdia, três são suspeitos de desvio de Fentanil e comercialização em sites na internet em 2018 e para traficantes. Dois são funcionários e um já foi desligado do hospital.

 


Um dos funcionários do hospital contava com apoio de um funcionário de uma empresa de logística para receber as ampolas da China. Ele também é suspeito de comercializar online outros medicamentos anestésicos e opioides, como lidocaína e tramadol.
A PF pretende fazer o arresto judicial de um imóvel avaliado em mais de R$ 1 milhão, bem como veículos da organização criminosa, nesta operação. Participam da operação cerca de 40 policiais federais.
Os investigados responderão pelos crimes de tráfico internacional de drogas e associação para o tráfico.