Operação com 200 policiais prende traficantes do Rio Grande do Sul em apartamento de luxo em Itapema

14/08/20 às 17h17
Atualizado em 14/08/20 às 18h57

oto: PC/Divulgação

 Uma operação policial, batizada de ‘Chicago’, que investigava uma organização criminosa de tráfico de drogas, com base no Vale dos Sinos, no Rio Grande do Sul, e era envolvida com lavagem de dinheiro, foi realizada pela Polícia Civil, na quinta-feira (13) e teve reflexos no bairro Meia Praia, em Itapema. A ação mobilizou ao todo mais de 200 agentes, teve apoio até do helicóptero para auxiliar no cumprimento dos mandados de prisão preventiva e em mais de 40 de busca e apreensão


A organização teve bens apreendidos judicialmente que foram avaliados em R$ 17,3 milhões: 48 veículos, 19 imóveis e 38 contas bancárias. As ordens judiciais foram cumpridas em Canoas, Porto Alegre, Sapucaia do Sul, Nova Santa Rita, Gravataí, Estância Velha, São Leopoldo, Imbé e Capão da Canoa. Além da cidade de Itapema, em Santa Catarina.


Na cidade de Itapema, com apoio da Policia Civil de Santa Catarina, por intermédio do Setor de Investigações Criminais, foi cumprido mandado de busca e apreensão em imóvel de luxo na Meia Praia, com intuito de prosseguir na investigação do crime de lavagem de capitais. O nome da operação "Chicago" se deve ao fato de que no município dos Estados Unidos houve a atuação pioneira de lavagem de capitais por meio da máfia.


Segundo a investigação, a partir do dinheiro de venda de drogas, eram adquiridos veículos como carros e lanchas, imóveis, armas, munição, mais entorpecentes, bem como o investimento em outras áreas. O grupo depositava dinheiro em dezenas de contas bancárias, mas também comprava dólares. As investigações continuam na região de Itapema pela Polícia Civil para apuração do crime de lavagem de capitais.

Fonte: Visor Notícias