Polícia cumpre mandados e investiga suspeita de fraude em diárias pagas em Câmara de Vereadores

02/07/19 às 09h09
Atualizado em 02/07/19 às 19h21

 O Departamento Estadual de Investigações Criminais (Deic) da Polícia Civil deflagrou na manhã desta terça-feira (2) uma operação para investigar supostas fraudes de cursos e diárias com viagens de vereador, ex-vereadores e servidores em Governador Celso Ramos, na Grande Florianópolis.

 

No total, foram cumpridos cinco mandados de busca e apreensão, sendo três em residências em Governador Celso Ramos, um na Câmara de Vereadores do município e um em São José dos Pinhais (PR).

A operação, denominada de "Salário Extra", é investigada pela Delegacia de Combate à Corrupção (Decor) da Deic. Segundo o delegado Marcus Fraile, responsável pelo caso, as ações são decorrentes da Operação Iceberg, que apurou fraudes no pagamento de diárias na cidade de Tijucas, na Grande Florianópolis.

De acordo com a polícia, 17 pessoas são alvos das investigações, entre vereadores e servidores de Governador Celso Ramos receberam, entre os anos de 2007 a 2014, diárias para realizar cursos oferecidos por empresas no Paraná.

Conforme o delegado, os cursos não exigiam presença, mas ao final os certificados de participação eram entregues para encobrir o crime e justificar o recebimento das diárias.

Ainda segundo a polícia, foram gastos pela Câmara R$ 435.362 para realização dos cursos, sendo que cada vereador e servidor recebeu em média R$ 780 por diária.


As investigações mostram ainda que o Legislativo de Governador Celso Ramos pagava uma das diárias mais altas do Estado e teria sido a cidade onde os servidores públicos mais realizaram os cursos suspeitos de fraude.

A Deic informou que segue com as investigações e irá fazer a análise dos documentos apreendidos e colher os depoimentos dos suspeitos nos próximos dias.

 

 

 

 

Fonte: G1/ Foto: Polícia Civil de Santa Catarina