Tijucas e Itapema estão entre as cidades investigadas por operação contra roubo de carga da Deic

12/06/19 às 12h12
Atualizado em 12/06/19 às 16h15

 A Diretoria Estadual de Investigações Criminais (Deic) deflagrou na manhã desta terça-feira a Operação CH2, e cumpre 11 mandados de prisão e 14 de busca e apreensão que envolvem suspeitos de roubos de cargas em Santa Catarina. A investigação é da Delegacia de Repressão a Furtos e Roubos de Cargas, e os mandados são cumpridos em Itajaí, Navegantes, Joinville, Itapema, Tijucas e Presidente Nereu.
Entre os presos está Lucas Furtado da Silva, empresário de Tijucas proprietário de uma revenda de peças automotivas. Também foi preso Ronaldo Saba, suspeito de ser líder da quadrilha e investigado pelo homicídio de um caminhoneiro. Na sua residência foi apreendido um carro de luxo, com placas de Itapema.

O delegado Osnei Valdir de Oliveira, que comanda a operação, diz que as investigações começaram no ano passado, com a descoberta de uma carga roubada de polietileto - produto de alto valor agregado, e bastante visado pelas quadrilhas. A vítima era de Palhoça e foi feita refém em Navegantes. A carga foi localizada em Agronômica, no Alvo Vale, e o caminhão em Apiúna.

A Deic observou, então, que a maneira de operar do grupo se repetia. Eles mantinham os motoristas reféns enquanto retiravam a carga e a encaminhavam para outro local. Situações semelhantes foram identificadas em Itajaí e Navegantes, com cargas que vão de fraldas a alimentos.

Durante as buscas, na manhã de terça, foram encontradas munições e apreendidos celulares, que vão auxiliar na sequência das investigações. Em um galpão, em Itajaí, a Deic encontrou diversas cargas que parecem ter sido roubadas.

Os mandados de prisão são temporários. Os suspeitos serão interrogados, e a polícia pode liberá-los ou pedir à Justiça a conversão em prisão preventiva, dependendo do andamento das investigações. Um dos alvos de mandado de prisão havia sido detido recentemente, segundo o delegado - mas deixou a delegacia ao pagar fiança. Procurado, nesta terça, não foi localizado.

O nome da operação faz referência à fórmula do polietileno, produto cujo roubo deu início às investigações.